Piano ou teclado? Saiba agora as diferenças de cada um

Piano ou teclado? Saiba agora as diferenças de cada um


Quando aprendemos um novo instrumento musical, é comum ficarmos em dúvida sobre qual será nossa escolha. Quando falamos de teclas, geralmente, tudo se resume a: piano ou teclado. Apesar de terem muito em comum, também há diferenças substanciais que devem ser compreendidas antes de fechar negócio.

Você com certeza conhece o piano de cauda, mas sabia que os pianos acústicos também podem ser verticais? Ainda, saiba que os teclados também têm diferentes classificações. Assim, neste post mostraremos cada um dos vários modelos, além de apresentar o que você deve considerar durante sua escolha entre os instrumentos.

Confira o post e boa leitura!

Conheça mais sobre o piano

O piano é um instrumento com acionamento de teclas para gerar o som, que tem como origem as cordas em seu interior. Ao ser tocado, o teclado do piano aciona o martel que, com a gravidade, cai na corda indicada pela nota da tecla e reproduz o som. Quando falamos de um modelo com 88 teclas, significa que esse piano tem 7 oitavas e 1/4 de oitava.

Além disso, há 3 pedais, sendo eles:

  • de sustentação: com função de prolongar a duração das notas;
  • central: com função de diminuir a intensidade do som;
  • surdina: com função de suavizar o som.

Tipos de pianos

  • piano acústico: esse é o tipo de piano mais tradicional, sendo baseado em cordas dispostas de duas formas, vertical e horizontalmente. O piano de cauda é um piano acústico de cordas horizontais, mas há os pianos verticais;
  • piano digital: esse modelo de piano, além de reproduzir os sons de um piano de maneira memorizada, tem funções para aumentar e diminuir o volume das teclas, além de ter aparência semelhante a de pianos acústicos;
  • piano híbrido: esse tipo de piano é uma mistura do piano acústico com o digital, o som é produzido de maneira eletrônica, porém, seu mecanismo é de corda.

Entenda melhor o teclado

A principal característica do teclado é sua capacidade de simular outros sons, comum entre a maioria de seus tipos. Você pode tocar as notas musicais com as teclas, enquanto o som reproduzido pode ser de um instrumento de metal ou de cordas, por exemplo. Apesar de órgãos eletrônicos existirem desde 1950, foi somente na década de 1980 que o instrumento tornou-se portátil como é hoje. Devido às suas características, um teclado tem, no máximo, 5 oitavas, mas tem uma grande variedade de timbres digitais.

Tipos de teclados

  • teclado arranjador: esse tipo de teclado tem som próprio e diferentes opções de timbres, além de acompanhamentos automáticos;
  • teclado controlador: esse é um tipo de teclado que tem diferentes números de teclas, mas nenhuma tem timbres variados (na maioria das vezes);
  • teclado digital: esse tipo de teclado se aproxima muito do piano acústico de cauda, porém, é mais moderno e compacto;
  • teclado sintetizador: esse é um tipo de teclado que sintetiza novos timbres, podendo editar a frequência, modulação e outros efeitos;
  • teclado workstation: esse é o tipo de teclado mais completo, tendo todas as funções que os demais têm.

Escolha entre piano ou teclado

Agora, você já entende bem a função musical de cada um desses instrumentos. Então, é chegada a hora de entender o que realmente você precisa, piano ou teclado. Confira nossas dicas para escolher a sua opção!

Principais diferenças entre eles

Na hora de escolher entre piano ou teclado, você deve considerar a origem do som que você deseja reproduzir. A principal diferença é justamente essa, uma vez que o piano tem o funcionamento mecânico e o teclado é eletrônico.

Por se tratar de um equipamento eletrônico e que consegue reproduzir sons de outros instrumentos, o teclado pode ser mais versátil que o piano. Ele também tem uma variação maior de teclas, embora o piano e o teclado tenham, no máximo, 88 teclas. As variações são:

Habilidades para aprender

Embora a habilidade de tocar músicas com teclas seja similar para o pianista e o tecladista, aprender a tocar teclado musical traz um vasto conhecimento de sons. Isso porque, como mostramos, o teclado reproduz o som de diferentes instrumentos musicais. O problema pode estar justamente aqui, caso você seja um músico iniciante.

É importante conhecer o instrumento original daquele som para que você entenda sua função na música e, então, reproduzi-lo com maestria. Por isso, muitos indicam começar a aprender piano e depois expandir suas habilidades para o teclado. O que deve ser considerado, na verdade, é sua facilidade de aprendizado e tempo para dedicação.

Valores dos instrumentos

Quando falamos de preço de instrumentos musicais, podemos falar sobre investimento. O valor que você investirá depende do seu objetivo e interesse. Dentro de cada categoria de piano ou teclado sempre haverá os mais caros e os mais baratos, então sua disponibilidade financeira no momento pode ditar as regras.

Os valores de cada instrumento variam bastante. Podemos falar de um piano de cauda da Kawai modelo GX7 que custa em torno de R$250 mil ou de um piano stage digital Casio por algo próximo de R$2.000. O teclado também tem variação de valor, tendo modelos mais caros, como o Yamaha Genos, custando algo próximo de R$30 mil e os mais em conta, como o Yamaha PSS-F30, custando em torno de R$400.

Para quem é mais indicado

Para aquele músico que precisa de praticidade, mobilidade e tem menos tempo em sua rotina para se dedicar aos estudos, o teclado pode ser mais indicado. Isso porque ele é portátil e pode ser levado para qualquer lugar. Além disso, pode reproduzir diferentes sons e permitir que, com conhecimento básico de notas e teclas, você reproduza outros instrumentos que já conhece.

Assim, o piano é ótimo para quem tem um tempo maior de dedicação e prefere se aperfeiçoar em um único instrumento por vez. Ele também exige que seus trabalhos disponham de piano próprio e, de preferência, com mecanismo e afinação semelhantes aos que você já toca em casa.

Independentemente de escolher piano ou teclado, saiba que as regiões das teclas são as mesmas. Contudo, lembre-se de que o principal é encontrar o “dó central” do seu instrumento e, por ele, identificar as regiões. Isso ajudará você a executar as músicas com mais segurança, além de facilitar na aprendizagem das notas.

Gostou do nosso artigo? Aproveite para nos seguir nas redes sociais e receber mais dicas como essa, estamos no Facebook, no Twitter, no Instagram e no YouTube!

Categorias

+ Sem comentários

Adicionar