Instrumentos musicais de sopro: entenda agora como um profissional

Instrumentos musicais de sopro: entenda agora como um profissional


Instrumentos musicais de sopro figuram em uma parte extraordinária da música. Muitas pessoas, quando pensam em aprender a tocar pensam logo em violão, teclado, bateria e, até mesmo, violino.

Poucos são os que se interessam pelos sopros, não que eles não proporcionem encantamento, muito pelo contrário, mas sim, pelo fato de parecerem um pouco mais complexos de serem entendidos que os outros.

Neste artigo, vamos acabar de uma vez por todas com esse paradigma. Ao final desta leitura você entenderá os instrumentos musicais de sopro como um profissional. Acompanhe!

O que é um instrumento de sopro?

Os instrumentos de sopro recebem essa nomenclatura devido ao fato de o som ser gerado pela emissão de ar dentro de um tubo. Em outras palavras, significa afirmar que para haver a geração de uma sonoridade será necessária a emissão de ar por parte do instrumentista.

Assim, podemos entender que o volume do som que será emitido pelo instrumento musical está diretamente ligado ao tamanho e temperatura do tubo e a pressão que o ar exerce sobre ele.

As notas musicais desses instrumentos são reguladas fechando ou abrindo os orifícios existentes ao longo do tubo. Esses fechamentos podem ser feitos com os próprios dedos ou com botões.

Os instrumentos de sopro podem ser feitos de metal ou madeira, entretanto, a matéria-prima principal de sua construção não é o que define a sua natureza.

Por exemplo, o saxofone é um instrumento de sopro feito de metal mas que pertence à família das madeiras, isso porque, o som dele é gerado pela vibração de uma palheta de bambu — apesar de já existirem algumas que são feita de material sintético — estimulada pelo ar e a pressão que o músico faz ao tocar um instrumento.

Quais são os principais instrumentos musicais de sopro?

Agora que você sabe o que é um instrumento musical de sopro e suas principais características vamos apresentar quais são os que se enquadram nessa divisão. Continue lendo!

Flauta

A flauta é um instrumento classificado como sendo da família das madeiras, ou seja, bem diferente do material em que elas são construídas. Esse instrumento pode ser dividido em dois: a transversal e a doce. Vamos exemplificar melhor cada uma delas nos dois tópicos seguintes.

Transversal

A flauta transversal ou transversa é um dos instrumentos mais antigos do mundo. Ela surgiu por volta do século IX antes de Cristo no local em que hoje é conhecido como o continente asiático.

Ela foi introduzida na Europa ocidental por meio da cultura bizantina e até os dias atuais é amplamente utilizada em vários tipos de apresentação nos mais variados estilos musicais. Certamente, é um instrumento extremamente versátil e que rompeu séculos de histórias até chegar aos dias atuais.

É feita de metal, geralmente, de cor prata e é formada por um tubo cilíndrico de 67 centímetros de comprimento por 19 milímetros de diâmetro, sendo dividida em três partes: a cabeça do bocal, corpo e pé.

Na cabeça do bocal é introduzido o ar. Já no corpo e no pé estão os orifícios e suas respectivas chaves que têm por objetivo a formação das notas que são tocadas neste instrumento. Em orquestras, a flauta é utilizada amplamente como um instrumento de solo, mas também pode ser utilizada para compor conjuntos com outros instrumentos.

Doce

A flauta doce é um instrumento de origem medieval. Ela consiste basicamente de um tubo dividido em três partes e que possui 8 orifícios para que as notas musicais sejam executadas. A sonoridade desse instrumento é semelhante a flauta transversa, entretanto, por ter poucas possibilidades de notas ela acaba sendo mais limitada em relação à flauta transversal.

Órgão

Quando se fala em instrumentos de sopro poucas pessoas imaginam que o órgão faz parte dessa categoria. Entretanto, ele é um dos mais versáteis que você encontrará neste artigo. Ele se diferencia totalmente dos outros por sua estrutura que é formada por tubos, teclados e pedais

O órgão utiliza o ar para que suas pequenas flautas internas sejam acionadas e gerem as sonoridades de acordo com o que está sendo executado pelo músico em seus teclados. Em termos técnicos as partes do órgão são:

  • os tubos, sendo essa característica básica desse instrumento e o que o coloca na categoria dos outros;
  • o console, região que abriga os teclados e que, geralmente, comporta dois pedais para mudanças de tons e outros acessórios;
  • mecanismo de acionamento, que são, basicamente, os foles que geram o ar para acionar as flautas.

Fagote

O Fagote é um instrumento bastante exótico e que também é considerado de sopro e, assim como o saxofone e as flautas, também pertence a família das madeiras. Isso porque, ele funciona com um sistema de palhetas dupla.

Apesar de ser um pouco desconhecido no Brasil, esse instrumento é bastante comum em orquestras. Antigamente, ele tinha mais orifícios que chaves e era construído totalmente em madeira.

Entretanto, com o passar do tempo ele foi evoluindo e ganhando botões e chaves que fazem o trabalho de fechar e abrir as pequenas entradas de ar que, ao serem apertadas de forma ordenada, formam as notas musicais. Entretanto, apesar desses elementos serem feitos de metal, o restante do tubo ainda é, totalmente, construído de madeira, assim como antigamente.

A construção desse instrumento é feita por dois tubos que são colocados em uma posição justaposta, ligados em sua base por um elemento em forma de U. O cumprimento total de cada uma dessas partes é de aproximadamente 2 metros e 40 centímetros. Sim, é um instrumento bem grande.

Ele é segurando em uma posição um pouco diferente dos demais, ficando ligeiramente atravessado em relação ao corpo do músico. É preso por um cordão que envolve o pescoço do instrumentista e passa por baixo do braço direito.

O Fagote é um instrumento muito curioso e nada discreto, entretanto, pode ser amplamente encontrado nas orquestras sinfônicas, sendo utilizado para solos ou para compor em grupos de outros instrumentos ou com seus semelhantes.

Clarinete

O clarinete foi criado por volta do ano de 1690, entretanto, evoluiu para o formato que conhecemos atualmente anos depois, tendo seu desenvolvimento projetado pelo músico Johann Christoph Denner de Nuremberg, na Alemanha.

A grande façanha dele foi acrescentar duas chaves ao então denominado Chalumeau, o que elevou a sonoridade do instrumento para mais de duas oitavas, potencializando sua versatilidade.

Depois disso, ele teve outras modificações, no ano de 1843, até ficar mundialmente conhecido quando o grande compositor Mozart utilizou este instrumento em uma de suas sinfonias. Sua construção é feita em madeira e as chaves utilizadas para fechar os pequenos orifícios que existem ao longo dessa formação são confeccionadas em metal.

Além disso, como ele também utiliza um sistema de palhetas para gerar a sua sonoridade, é considerado como um instrumento da família das madeiras. A afinação do clarinete, assim como ocorre com outros instrumentos de sopro, é fixada em Eb ou Bb, dependendo do tipo de instrumento.

O clarinete é utilizado em diversos tipos de apresentação, principalmente, em orquestras compondo grupos de instrumentos, bem como, para execuções de músicas solo.

Trompete

Agora, vamos mostrar um instrumento musical de sopro que pertence à classe dos metais. O trompete também recebe o nome de pistão e é, totalmente, construído do material mencionado. Uma das principais partes dele é a sua campânula, responsável pela amplificação que o seu som produz.

Diferentemente dos outros que mencionamos até o momento, as notas do trompete são feitas com convenções geradas entre seus 3 pistos, bem como, pela força e pressão que o músico exerce sobre o bocal, elemento em que o instrumentista apoia sua boca e direciona o ar para dentro do instrumento.

A sonoridade do trompete é bastante aguda e possui volumes bem elevados, se comparado aos outros. Ele é amplamente utilizado em orquestras, no entanto, existe também aqueles músicos que compõem trio de metais, muito comuns em bandas brasileiras. Esses grupos, quase sempre, são acompanhados de Saxofone e Trombone, ambos instrumentos que descreveremos neste artigo.

Trompas

A trompa é outro instrumento muito antigo, mas que ainda está em plena utilização, principalmente, em orquestras. Ela tem uma construção em um tubo curvado ou enrolado e a sua sonoridade é mais grave que os outros que mencionamos neste artigo.

O som da tuba é produzido graças a compressão dos lábios do instrumentista contra o bocal e a intensidade do sopro que é executado por ele, com maior ou menor intensidade, depedendo do seu objetivo.

Trombone

Assim como a trompa, o trombone também é um instrumento que atua nas regiões mais graves, graças a essa característica muito presente em sua sonoridade. Ele também faz parte das famílias dos metais e tem dois tipos diferentes.

A diferenciação dos dois instrumentos será dado pela forma que as notas são executadas. Existem aqueles que possuem pistos, assim como o trompete, em que as posições formam cada uma das notas, bem como, a pressão que o músico faz no bocal.

Além disso, existe o chamado trombone de vara. Nesse, não existem botões, mas sim, um mastro circular que percorre todo o corpo do instrumento e que gera notas diferentes nas posições que o músico deixar este arco.

Tuba

A tuba é considerada o instrumento mais jovem da família dos metais. Sua criação se deu entre os anos de 1.800 e ela também tem uma sonoridade mais grave, podendo ser comparada ao trombone ou trompa.

Sua construção é feita em formato de tubo cilíndrico recurvado em si e que termina em uma campânula que tem o formato de sino. Ela também tem bocal e pistões para que as notas musicais sejam executadas.

Existem diversos tipos e tamanhos de tuba, o tenor, que também é chamada de eufônio, o baixo e contrabaixo. Cada um tem usabilidades diferentes dentro de uma orquestra ou bandas marciais, ambientes que utilizam muito esse tipo de instrumento.

Saxofone

O saxofone é um instrumento de sopro que frequentemente é classificado como sendo da família dos metais, no entanto, isso é um grande erro, pois ele pertence à categoria das madeiras, tendo em vista que o princípio gerador de sua sonoridade é a vibração de uma palheta feita de bambu.

Trata-se de um instrumento muito versátil e que tem uma grande gama de utilização, sendo aproveitado em orquestras, bandas em geral, independentemente do estilo. Ele pode ser dividido em três grupos mais comuns.

O saxofone alto é o mais comum, ele tem sua construção que permite abranger diversas regiões da escala, tanto graves quanto agudas, permitindo muita versatilidade e praticidade na execução de canções. Sua afinação é em Mi Bemol.

Já o saxofone tenor tem uma sonoridade mais grave e aveludada, sendo muito utilizado em bandas de Jazz ou para compor trios de metais. A afinação deste instrumento é em Si Bemol.

O outro mais utilizado é o soprano. Você verá muitos desses instrumentos no formato reto, sem a velha e charmosa curva dos demais saxofones. Ele tem uma sonoridade mais aguda e sua afinação é fixada em Si Bemol.

Quais são os cuidados que você precisa tomar com instrumentos de sopro?

Instrumentos de sopro merecem um cuidado todo especial, afinal, são equipamentos que dependem de seu perfeito funcionamento para que possam emitir a sua sonoridade com toda a beleza que eles são capazes.

O principal cuidado que você deve ter é com a degradação do seu corpo. Os que são de metais precisam ser higienizados a cada vez que forem utilizados. A ferrugem pode danificar o equipamento com o tempo, além de deixá-lo com uma aparência estranha.

Além disso, aqueles que contam com botões e engrenagens, geralmente, têm essas peças em formato muito pequeno e que necessitam de todo o cuidado. Portanto, evite o impacto com seu instrumento de sopro e sempre opte por um bom case para aumentar sua proteção.

Também é importante fazer a limpeza com produtos especiais e próprios para alguns dos tipos de instrumentos mencionados. Evite utilizar substâncias como álcool e, principalmente, água.

Com todas essas dicas, você já deve ter um bom conhecimento sobre instrumentos musicais de sopro e certamente já deve estar entendendo os princípios de funcionamento deles como um profissional, além de conhecer os tipos existentes.

Agora, você está pronto para procurar o seu instrumento ideal. Para isso, acesse nosso site e confira os que temos disponíveis.

Categorias

+ Sem comentários

Adicionar