Qual é a melhor corda para violão? Saiba como escolhê-la!

Qual é a melhor corda para violão? Saiba como escolhê-la!


Você sabe qual é a melhor corda para violão? Essa é uma dúvida muito comum nas fases iniciais dos estudos sobre um instrumento. Afinal, existem diversos modelos e marcas diferentes, sem falar no material do qual uma corda é feita.

Além disso, como se não bastasse a diversidade de encordoamentos, é fundamental saber quando e como trocar as cordas. Apesar das diversas marcas no mercado e do custo-benefício variado, seja qual for o valor, uma instalação correta e cuidadosa é essencial. Caso contrário, as cordas podem ser danificadas, assim como o instrumento.

Portanto, preparamos informações indispensáveis para você escolher a melhor corda para seu violão. Elencamos, também, algumas dicas e cuidados valiosos para quando for trocar as cordas do seu violão, de maneira a garantir uma sonoridade limpa e uma durabilidade longa ao seu novo encordoamento.

Os tipos de corda para violão

Há dois materiais utilizados nas cordas do violão: o nylon e o aço. Cada um tem um som específico e, digamos, o seu “palco”. Por isso, as cordas do seu violão devem ser escolhidas em primeiro lugar de acordo com a música que você deseja tocar. Ou seja, esses dois tipos de corda não são diferentes em virtude da qualidade ou do valor, mas do estilo musical.

Portanto, se você gosta de samba e MPB, nós da Teclacenter sugerimos um violão de nylon, pois o estilo musical que você gostaria de tocar não utiliza, por exemplo, o som metálico do violão de aço. Agora, se você é fã de rock’n’roll, folk music ou blues, as cordas de aço se adequarão melhor às exigências e necessidades desses estilos musicais.

Repare que aqui nós já temos uma dica preciosa de qual a melhor corda para seu violão: há violões para corda de nylon e há violões para corda de aço. Portanto, não é todo violão que é feito para nylon ou aço. Cada material tem sua tenacidade e elasticidade. Logo, cada encordoamento exige uma estrutura específica do instrumento.

Claro, o encordoamento de nylon é mais macio e, dessa maneira, para iniciantes ele pode ser mais confortável. No entanto, aconselhamos a você iniciar com aquilo que é mais agradável para seus ouvidos e mais próximo das músicas que você gostaria de tocar.

A diferença entre os modelos

Aço

As cordas de aço têm uma sonoridade mais agressiva e aguda, condizente com os estilos que executam mais batidas e dedilhados com palhetas. Assim, a sonoridade das cordas de aço tem uma melhor projeção, o que contribui para batidas mais sonoras e realçadas. Além disso, os instrumentos que utilizam o encordoamento de aço também favorecem os solos e alguns efeitos que são muito utilizados pelos guitarristas, como o bend e slide.

Por outro lado, como nem tudo são flores, esse tipo de encordoamento é mais rígido e pode incomodar um pouco as mãos de um iniciante, principalmente, na hora de fazer uma pestana em razão da alta tensão do aço, o que exige um pouco mais de esforço e jeito para emitir um acorde limpo e sem trastejar.

Apesar disso, muitas pessoas iniciam seus estudos nesse tipo de encordoamento e se desenvolvem muito bem com ele. Tudo é uma questão de prática e de vontade, pois com o tempo, os dedos se acostumam com o tipo de corda e com o instrumento.

Nylon

O nylon, por sua vez, é totalmente diferente do aço. Ele tem uma sonoridade mais suave e puxada para o grave. É excelente para violões mais percussivos e dedilhados.

O violão de nylon é muito utilizado por grandes nomes da música brasileira, como Yamandu Costa — um dos maiores violonistas do mundo —, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Alceu Valença e outros tantos cantores e instrumentistas.

Também existe uma infinidade de outros músicos menos conhecidos, mas extremamente talentosos, que recebem reconhecimento mundialmente e utilizam cordas de nylon em seus instrumentos musicais. Esse tipo de corda é mais comum, portanto, em músicas mais clássicas e na própria MPB.

Também existem peças avançadas de violão que exigem que o músico execute com cordas de nylon, principalmente, devido ao fato de ser necessário um instrumento com braço mais largo e cordas mais frouxas para proporcionar toda a sonoridade e reproduzir o que, de fato, foi criado pelo compositor.

Escolhendo as cordas ideais para o seu violão

O primeiro critério de escolha deve ser a partir do estilo do seu violão — de nylon ou de aço. Em seguida, procure saber quais as tenacidades disponíveis. Seja para o nylon ou para o aço, a melhor corda será aquela com uma tensão mais agradável para você. Em geral, são três tipos: macia ou leve, média e pesada.

Sugerimos que as tensões sejam escolhidas de acordo com sua rotina. Se você está começando, opte pela macia, pois com o tempo e com a prática seus dedos ganharão força e firmeza. E o mais importante: ganharão também os famosos calos.

Calos? Sim, calos. Para tocarmos um instrumento de corda, é necessário pressionarmos as cordas para fazermos as notas, certo? Quando fazemos isso, as pontas dos dedos vão ficando cada vez mais rígidas de maneira que a pressão feita nesse local pare de incomodar. Portanto, se você não está acostumado, a melhor corda para violão é aquela de tensão macia e leve.

Atenção, não coloque cordas de aço em um violão de nylon em hipótese alguma. A princípio pode parecer que nada aconteceu, mas com o tempo a tenacidade aumentada do aço pode causar sérios danos ao seu instrumento. Falaremos mais sobre isso a seguir.

Estilos de violão

Outro ponto que merece muito da sua atenção é o tipo de violão que você toca: de aço ou de nylon. Mas antes, não custa repetir: tome muito cuidado, pois colocar cordas de aço em um instrumento que foi construído para suportar a pressão das cordas de nylon pode danificá-lo de modo grave, como arrancar ou descolar o cavalete.

Já os violões que são preparados para receber cordas de aço até podem ser equipados com encordoamento de nylon, porém a sonoridade não será a mesma. Além do que, em geral, o braço do violão de aço é mais estreito e a captação dele pode deixar de identificar a vibração das cordas e, assim, não produzir o som desejado.

Então, é fundamental que você coloque as cordas corretas para utilizar o instrumento de forma adequada e, desse modo, conseguir tirar toda a sua sonoridade sem correr o risco de danificar a estrutura do instrumento.

Agora que você já sabe qual é a melhor corda para violão, assim como a mais adequada às suas necessidades e ao seu perfil, fica mais fácil escolher aquela que vai proporcionar a melhor sonoridade e conforto ao tocar. Além disso, saber desses detalhes fará com que você economize dinheiro ao não comprar cordas incompatíveis com seu instrumento.

Como instalar ou trocar um encordoamento

Agora que você sabe qual a melhor corda para seu violão, é importante saber como instalá-la ou trocar as cordas antigas pelas novas. Acompanhe a seguir um passo a passo para realizar esse procedimento sem qualquer risco ou prejuízo ao seu instrumento ou às suas cordas novinhas em folha.

Primeiro, adquira o encordoamento com a tensão desejada e da marca de sua preferência. Em seguida, confira se o encordoamento que você comprou vem com cada corda e nota separadas em bags (embalagem) ou cores. No caso das bags, a nota vem estampada (E, A, D, G) na lateral dos saquinhos. Já se for por cores, cada corda terá em suas extremidades um anel colorido para cada nota, por exemplo: dourado é o E (Mi) da sexta corda, vermelho é o A (Lá), preto é o D (Re) etc.

No entanto, há alguns encordoamentos que não vêm com as especificações. Dessa maneira, você precisará analisar o tipo da corda e a espessura. Por exemplo, no violão de nylon, a quarta (D), quinta (A) e sexta (E) cordas possuem um leve acabamento em metal. Já a terceira (G), segunda (B) e primeira (E) são feitas apenas de nylon.

Aliás, a espessura da sexta para a primeira corda é menor e, portanto, afina de corda para corda. No caso do violão de aço, as orientações são as mesmas, salvo que o material das cordas é o aço, e não o nylon.

Agora que você separou as cordas, é chegada a hora de dar adeus ao velho e oxidado encordoamento. Retire uma corda de cada vez, girando as tarraxas no sentido anti-horário. Aqui sugerimos que você padronize a direção das tarraxas para facilitar a próxima vez que for trocar as cordas do seu instrumento.

Por segurança, mantenha sempre o rosto distante da corda e confira com o polegar se ela está afrouxando. Nesse caso, o som ficará cada vez mais grave. Por fim, quando perceber que a corda já está bamba, termine de desenroscar a tarraxa e retire a corda. Feito isso, remova-a também pelo cavalete. Faça isso com todas as seis.

Pronto, agora, com a corda identificada corretamente, passe a extremidade sem o anel de fixação pelo cavalete e insira na tarraxa referente à nota. Sugerimos que comece de baixo para cima ou vice-versa, assim será mais fácil e menos confuso.

Com a corda já inserida no cavalete e no orifício da tarraxa, gire esta no sentido horário. Novamente, mantenha o rosto distante do instrumento e confira com o polegar a tenacidade e a afinação da corda. Para não correr o risco de apertar demais, faça esse processo acompanhado de um afinador, assim você saberá a hora exata de parar e passar para a próxima corda. Enfim, repita todo esse procedimento com as outras cordas.

Porém, lembre-se: tenha um afinador do lado, pois ele será de muita ajuda e garantirá que você obtenha o melhor som da melhor corda para seu violão. Dessa maneira, só resta agora manter o violão afinado em uma posição que não force o braço ou que ele possa cair e passar uma flanela seca sobre o encordoamento para evitar a oxidação prematura e, finalmente e mais importante, praticar e curtir o seu som.

Para saber mais sobre encordoamentos, afinação e instrumentos de corda, entre em contato conosco. Nossa equipe está preparada para embarcar com você no universo da música!

1 Comentário

Adicionar

+ Deixe um comentário