Grandes sucessos do Angra terão releitura jazzística em ritmos amazônicos

Grandes sucessos do Angra terão releitura jazzística em ritmos amazônicos


106414_697x437_crop_55b822e6e33cbCampanha de crowdfunding está sendo lançada para financiamento coletivo do projeto que terá participação de integrantes do Angra e outros músicos premiados

O CD Karine Aguiar sings Angra reúne dez sucessos da banda que este ano comemora 20 anos do primeiro disco e 20 de carreira de André Matos. O álbum – que contará com a participação do cantor André Matos e o guitarrista Rafael Bittencourt, do Angra – é o segundo dessa cantora amazônica que teve seu CD de estreia gravado nos EUA e premiado na Europa, onde se tornou conhecida como “Musa do Jungle Jazz”. Participam também dessa aventura musical a pianista clássica Juliana D’Agostini, o baixista norte-americano Matthew Parrish, o percursionista Ygor Saunier e o pianista Fábio Torres, vencedor do Grammy de 2014 na categoria de Melhor Jazz Latino, com álbum gravado com o Trio Corrente e Paquito d’Rivera. Para viabilizar o projeto, Karine lança  uma campanha de financiamento coletivo (crowdfunding) pela Kikante, com prêmios atraentes para fãs e colecionadores.

A ousadia de mesclar o jazz norte-americano com gêneros musicais da Amazônia numa voz talentosa e com sólida formação lírica já rendeu à cantora amazonense Karine Aguiar um convite para gravar nos EUA, um prêmio na Europa e duas turnês internacionais apenas com seu CD de estreia, Arraial do Mundo. Com seu segundo CD, em fase de produção, ela agora amplia a audácia e funde essas duas paixões – o jazz e os ritmos amazônicos — com um uma terceira, materializando um velho sonho de adolescência: gravar músicas do Angra ao lado de integrantes da própria banda. Já em produção, o CD Karine Aguiar sings Angra trará uma releitura jazzística de dez hits da banda adaptados a diferentes gêneros musicais, sobretudo amazônicos.

O projeto, agora em fase de produção, nasceu de uma conversa informal entre Karine, o músico e pesquisador Ygor Sauner e o produtor cultural Wagner Kaiowas. Foi em abril de 2015, quando Karine e Ygor passaram por São Paulo na volta de uma turnê de shows nos Estados Unidos. No carro, a caminho do aeroporto, Karine confessou que gravar músicas do Angra com André Matos era grande sonho que acalentava desde a adolescência. Wagner fez os contatos, Rafael Bittencourt, guitarrista e compositor do Angra, simpatizou imediatamente com a ideia e no que deveria ser um encontro preliminar, aproveitando a estada de Rafael para um show em Manaus, ele já se apresentou no saguão do hotel com instrumentos e câmera de vídeo, pronto para ouvir e gravar Karine cantando suas músicas. O nome do CD foi sugestão do próprio Rafael.

A proposta artística do disco

Integralmente escolhido por Karine Aguiar, o repertório do disco reúne dez músicas dos três primeiros álbuns do Angra (Angels Cry, Holy Land e Fireworks) que foram marcantes do período em que, ainda adolescente, a cantora atuava no cenário Heavy Metal de Manaus.

As releituras dessas faixas terão arranjos do baterista e pesquisador de ritmos amazônicos, Ygor Saunier, que trabalha em intensa colaboração com sua companheira Karine. Com a mesma qualidade do primeiro CD, eles dessa vez prometem mesclar influências do jazz norte-americano e seus subgêneros (como Bebop, Jazz Swing e Afro-cuban jazz), da Bossa Nova, da música clássica, do Fado português e, principalmente, dos gêneros musicais da Amazônia (Boi-bumbá de Parintins, Gambá de Maués, Ciranda de Manacapuru, o Lundu Marajoara, o Carimbó, o Marabaixo e o Batuque do Amapá, entre outros), que irão dar o tempero rítmico do projeto.

Além de Karine e Ygor, o disco contará com as participações de grandes artistas como o cantor André Matos, o guitarrista e compositor Rafael Bittencourt, a pianista clássica Juliana D’Agostini, o baixista norte-americano Matthew Parrish e o pianista Fábio Torres, vencedor do Grammy de 2014 na categoria de Melhor Jazz Latino, com álbum gravado ao lado do paulistano Trio Corrente e o saxofonista cubano Paquito d’Rivera.

 

KARINE AGUIAR

Nascida em Manaus, em 1987, e criada nessa cidade, Karine Aguiar tornou-se fã de heavy metal ainda criança, ouvindo Iron Maden e Sepultura. Aos 11 anos, quando ouviu pela primeira vez o vocalista do Angra André Matos, apaixonou-se imediatamente por aqueles tons agudos e, determinada a desenvolver as mesmas habilidades, decidiu estudar canto. Na falta de uma escola de música accessível, integrou-se ao coral religioso da escola salesiana onde estudava.

Aos 15 anos começou a estudar canto lírico com a maestrina bielorrussa Natália Sakouro no Liceu de Artes e Ofícios Cláudio Santoro, e iniciou sua carreira artística como vocalista da Glory Opera, uma banda de metal gótico de Manaus, que mesclava heavy metal com ópera. Durante cinco anos atuou em diversos grupos de heavy metal até ser convidada pelo pianista Robson Silva para cantar jazz num piano bar de Manaus: “Eu não conhecia quase nada de jazz, mas queria me profissionalizar e logo me apaixonei pela liberdade que o jazz dá ao artista”, conta Karine.

Foi cantando jazz numa dessas casas noturnas de Manaus que, cinco anos depois, Karine conheceu Vana Gierig, pianista alemão radicado em Nova York, que estava de passagem pela cidade. Fascinado pela qualidade do jazz que encontrara em plena Amazônia, na mesma noite, Gierig convidou Karine para gravar seu primeiro disco em Nova York. Da maturação do projeto nasceu a ideia de mesclar o jazz com os ritmos amazônicos num gênero que a imprensa norte-americana batizou de Jungle Jazz, assim que o CD Arraial do Mundo foi lançado, em 2012.

Premiado em 2014 pelo Portal do Brasil na França, o CD teve uma de suas musicas incluídas num espetáculo apresentado em 2014 no palco da sede mundial da Unesco, em Paris, onde Karine Aguiar cantou para um público de mais de 1.500 pessoas, incluindo autoridades diplomáticas do mundo inteiro. A acolhida impulsionou uma turnê de quatro meses de shows da artista por Portugal e França e, em 2015, uma turnê por diversas cidades dos Estados Unidos, onde a cantora foi apresentar seu “Jungle Jazz” a convite do baixista e produtor musical norte-americano Matthew Parrish. Hoje, seu álbum de estreia pode ser ouvido em todas as plataformas digitais de música e em inúmeras rádios de Portugal, Espanha, França, Polônia, Porto Rico, Estados Unidos e Brasil.

 

REPERTÓRIO DO NOVO ÁLBUM

Carry On (Matos)
Angels Cry (Matos, Bittencourt)
Stand Away (Bittencourt)
Holy Land (Matos)
Make Believe (Bittencourt, Matos) – Special Guest: André Matos
Lisbon (Matos)
Reaching Horizons (R. Bittencourt)
Wings of Reality (Matos)
Silence and Distance (Matos)
Time (Matos e Bittencourt)

 

PARA PARTICIPAR DA CAMPANHA DE FINANCIAMENTO COLETIVO (CROWDFUNDING) ACESSE:

http://www.kickante.com.br/campanhas/karine-aguiar-angra-jungle-jazz

 

 

Categorias

1 Comentário

Adicionar

+ Deixe um comentário