Como fazer arpejo no teclado? Confira passo a passo!

Como fazer arpejo no teclado? Confira passo a passo!


Quando se aprende a tocar teclado, a palavra “arpejo” é uma das mais frequentemente usadas. Na teoria musical, o arpejo é a execução sucessiva das notas de um acorde, uma a uma. Na prática, além de ser um bom exercício para acostumar os dedos a tocarem acordes, ele auxilia também na improvisação, ao dar uma sonoridade mais “cheia” à música e, assim, embelezá-la. A seguir, confira um pequeno passo a passo de como fazer arpejo no teclado!

Pratique arpejo de ida e volta

Existem várias formas de se classificar arpejos. Uma delas é dividi-los entre arpejos de ida e arpejos de volta, também chamados de ascendentes e descendentes: nos de ida ou ascendentes, as notas são tocadas da mais grave para a mais aguda, e nos de volta ou descendentes é o contrário.

Em ambos os casos, começa-se pela nota fundamental e termina-se nela — uma oitava acima no de ida e uma oitava abaixo no de volta. Peguemos, por exemplo, o acorde de Dó maior, formado pelas notas Dó, Mi e Sol. Se considerarmos o Dó como nota fundamental, seu arpejo de ida é Dó-Mi-Sol-Dó, e seu arpejo de volta é Dó-Sol-Mi-Dó.

Exercite arpejos contrários

Uma vez dominados os arpejos de ida e de volta no teclado, é possível começar a praticar arpejos nos quais as mãos realizam movimentos contrários. Ou seja, com uma mão você toca um arpejo de ida e com a outra um arpejo de volta. Pode ser um pouco complicado no começo, porém, permite dinâmicas mais complexas em seus improvisos e composições, e ainda treina suas mãos para se tornarem mais independentes.

Pratique os arpejos tríades e tétrades

Além dos de ida e de volta, outra forma de classificar os arpejos é dividi-los entre tríades e tétrades. O arpejo tríade é formado por três notas: a tônica, a terça e a quinta — as notas referem-se à escala do arpejo. Já na tétrade, acrescenta-se a sétima. Peguemos novamente o exemplo do acorde de Dó maior. Na tríade, as notas tocadas no arpejo são Dó-Mi-Sol; na tétrade, por sua vez, acrescenta-se o Si e o resultado é Dó-Mi-Sol-Si.

Pratique inversões

Arpejos não necessariamente precisam começar na nota tônica. É perfeitamente válido tocar arpejos nos quais a terça ou a quinta exerce a função de nota fundamental. Arpejos de Dó maior, por exemplo, podem ser tanto Dó-Mi-Sol quanto Mi-Sol-Dó e também Sol-Dó-Mi.

No caso de inversões, porém, preste atenção nos dedilhados, que podem mudar: o arpejo tônico de Lá maior (Lá-Dó sustenido-Mi) é, em geral, tocado com os dedos 1-2-3 na mão direita. Entretanto, ao começar o arpejo na terça (Dó sustenido-Mi-Lá) recomendam-se os dedos 2-1-2-3 (toca-se o primeiro Dó sustenido com o dedo 2 e nas oitavas seguintes com o 3).

Dominadas as inversões, um bom exercício que pode ser feito é tocar arpejos com notas fundamentais diferentes para cada mão: por exemplo, tocar um arpejo que comece pela tônica na mão esquerda e pela terça na direita, ou terça na esquerda e quinta na direita. Assim, é possível tocar composições musicalmente mais complexas.

Atente-se para os arpejos maiores e menores

Na teoria musical, escalas e acordes podem ser divididos entre maiores e menores, de acordo com a tonalidade. Na escala maior, a distância entre as notas é Tom-Tom-Semitom-Tom-Tom-Tom-Semitom, enquanto na escala menor é Tom-Semitom-Tom-Tom-Semitom-Tom-Tom.

Ao tocar acordes e arpejos maiores e menores, portanto, deve-se respeitar essa tonalidade: um arpejo em Dó maior é formado pelas notas Dó-Mi-Sol, enquanto um arpejo em Dó menor é formado por Dó-Mi bemol-Sol. Ao estudar, preste atenção nessas distâncias entre notas e você conseguirá tocar teclado de forma muito mais harmônica e elegante.

Gostou das nossas dicas de como tocar arpejos no teclado? Então, aproveite e confira nosso guia completo de piano para iniciantes!

Categories

+ There are no comments

Add yours